Atenção: habilite seu browser para o uso de Javascript!

Testemunhos

"Hoje Meus Olhos Te Veem"


Importante: antes de submeter este texto à impressão, clique em "Texto Integral",
ao final desta página, para não comprometer a divisão do texto em páginas na impressora.

Página 1 de 3
Ir para a página:   01   02   03   

“Antes eu te conhecia só de ouvir falar, mas hoje meus olhos te veem” Jô 42:5

Essas palavras tem o intuito de levar a mensagem de Cristo às vidas que ainda tem alguma dúvida sobre Deus, sua existência, seus propósitos e pra dizer, principalmente, que nós temos planos, nós temos intuitos para nossas vidas, mas a Deus cabe decidir o que você fará, o que você enfrentará ou não enfrentará.

Deus me proporcionou uma experiência ímpar agora pela manhã. E enquanto estava na cama do hospital decidi piamente que iria testemunhar do milagre dEle na minha vida. Assustou? Luiz no hospital? É isso mesmo.

Tudo começou quando o bonitão aqui foi voluntário para as provas de triátlon militar aqui do batalhão (Btl). Afinal de contas, nado bem, corro bem, e lançar granada é questão de treinamento. Fatos (gosto de trabalhar com eles): Fui o terceiro na natação (30,11s em 50 m), tem um cara aqui que é campeão mineiro de natação, não deu! Estava bem, mas veio a prova de granada, charutei (fui mal, para os civis). Fiquei em décimo terceiro. Conclusão óbvia? Teria que correr que nem um cavalo pra chegar entre os primeiros, afinal de contas larguei em sétimo e 4 min atrás do primeiro (o campeão da natação).

Pois bem, foi o que fiz. Hoje pela manhã me alimentei bem, suco e iogurte e tudo mais (morram de inveja). Fui para a largada, e saí imprimindo um ritmo forte mas que dava para sustentar, conforme o planejado, abri tudo que podia no sexto Km. Foi aí que a situação ficou preta, literalmente posso dizer. Aí, irmãos, que posso dizer que Deus começou a agir. Estava mal, mas pra quem já teve que dar um algo a mais em alguma corrida sabe: normal! Quando passei pelo sétimo Km comecei a bambear de um lado pro outro. A corrida que era reta ficou mais torta que tudo, e comecei a ver tudo girando. Porém, Deus tinha mais pra mim e me fez teimar, afinal de contas, sou um tenente de Infantaria, ex-recordista da pista Rondon (para aqueles que a conhecem), participante da prova Infante de Ferro, corredor da turma Brasil 500 anos, dentre outros, porque desistiria agora?

Entrei na pista de atletismo, naquele finalzinho que sempre rola nos últimos 400 m. Corri mais 100 m e caí pela primeira vez, desisti? (vide currículo supracitado) Claro que não! Levantei e corri mais 20 m, caí de novo, tudo bambeava, o mundo não parava quieto, as pernas fracas, corri mais 10 m e caí pela terceira vez. Nessa vez foi o ponto final de Deus, Ele pesou a mão sobre mim e me destituiu de todo o meu currículo. Apaguei! Desmaiei, e não lembro de nada mais. Voltei à consciência já no hospital. A queda tinha sido séria. O problema não foi a queda, mas o limite físico que eu tinha ultrapassado. Depois quando fiquei melhor me contaram que faltou oxigênio no meu cérebro (Ô Glória!), e que tive taquicardia. Isso ainda pude conferir enquanto estava na maca do hospital.

Irmãos e amigos, quando apaguei só me lembro de alguns flashes na minha cabeça. Ouvi um barulho de helicóptero, e me lembro de uma voz feminina que cuidava de mim. Vocês não sabem como foi difícil, ouvir os médicos dizendo sua situação física. Huahauhauaha, é pra rir mesmo! “Que temperatura é essa? 40°C!”, “A pressão está subindo!”, um médico chegou pro outro e disse: “18 e 5”, na hora eu pensei, “caraca que pressão é essa que eu estou, ontem mesmo medi a pressão num exame e deu 12 por 8”. Lembrei-me na hora do E.R. (Plantão Médico, para os telespectadores globais), aquele barulhinho do coração? Pi, pi, pi. De repente, começava a acelerar – pipipipipi – e o médico: taquicardia! Aplica um pouco mais de blá-blá-blá (é demais eu lembrar o nome do raio do remédio). Não conseguia mexer meus olhos, minhas pernas, meus braços, não tinha forças, estava reduzido ao nada.

Nessa hora, eu me peguei pensando: “Como isso está acontecendo comigo? Eu sou forte caramba! Nunca tive nenhum problema desses. Eu não posso morrer! Como vou morrer agora? Como ficam minha mãe, meu pai, meu futuro (que já não ia tão longe até aquele momento). Você sabe o que é você se achar um cara tão especial, tão servo de Deus, tão melhor que os outros reles mortais? Não me conformava com morrer daquele jeito. Porque meu único pensamento era esse: eu ia morrer! E a julgar pelo que estava sentindo no momento, era real. Nada mexia, estava com muita dificuldade de respirar, cheios de tubos na boca, soros, injeções por todos os lados, coleta de sangue, acho que nunca fiz tantos exames em tão pouco tempo e ao mesmo tempo. E com os “pipipipi” já estava vendo a hora de alguém me meter o desfribilador no peito e eu , consciente, tomar um “chocão” nos peitos!

Mas não é essa a ênfase que quero dar. O que queria que vocês soubessem é que me senti um nada, fui humilhado a minha mera situação mortal e dependente de Deus. Um pobre coitado lançado nas mãos de Deus, ou seja lá de quem for. Não pasme, mas naquele momento de sentimento da morte até me revoltei com Deus, digo isso com vergonha, mas para a honra e glória dEle. Eu tentei orar, tentei mesmo, mas não conseguia pensar direito, não conseguia articular uma frase para Deus. Totalmente incapacitado, então fiz o que gosto de fazer para Deus, comecei a cantar! Enquanto estava de olhos fechados, e sem conseguir fazer nada, comecei a cantar “O meu Deus é o Deus do impossível...”, mas também não passava muito daí, não lembrava da letra (risos). Então fiquei repetindo aquilo montes e montes de vezes, até que minha situação “precática” (sei que está errado) se estabilizou. E comecei a conseguir pensar melhor, e orei e orei e orei até descobrir o que Deus queria com aquilo tudo.

Deus queria que eu visse que eu, o grande eu que estava em mim não era nada mais do que Ele. O verdadeiro Eu sou, o verbo vivo, e não euzinho pequeno aqui. Ele queria que eu visse que eu sou fraco (aprenda com isso e saiba que você também é), que sou pó, obra de Suas mãos. E que Ele faria comigo o que Ele quisesse, e todos os meus planos eram nada perante Ele, porque Ele tem um propósito em tudo. A Ele cabe as decisões da minha vida. Aqueles que tem falado comigo sabem que eu estou doido pra ...


Texto Integral


Página 1 de 3
Ir para a página:   01   02   03   

O autor é oficial do Exército, lotado em Brasília. Testemunho publicado na íntegra, com alterações de ordem gramatical.



RecuarPara o alto


Exare suas ponderações
» Comentários até agora: 2.

Em 02/12/2011, às 13:18, Yasmin Ferreira Dos Santos, de Rio De Janeiro, ponderou:
Quero mostrar esse testemunho pro meu namorado ! ele tá na EsPCEx... Ano q vem, 1º ano da AMAN... quero que ele tenha infinitas experiencias com Deus lá...
Em 25/10/2010, às 17:12, Tereza, de São Lourenço Da Mata/PE, ponderou:
Vc esqueceu de incluir o texto de João 15:16a "Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça" longe de qrer encher tua bola, mas certamente mesmo sendo vc alguém tão "prepotente" como vc se diz, o Senhor viu ai um servo capaz de ser provado!
ÀO SENHOR TODA GLÓRIA até por causa disso:
"Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade". Filipenses 2:13
Shalom!

Comente o texto
Nome:  

Cidade:  

E-mail (não será publicado):  

Comentários:  

» Você pode digitar mais 1024 caracteres.
Digite a seguir o que você lê abaixo:  
9zQ9j1M


 

Importante: utilize este formulário para ponderar somente sobre o texto acima. Comentários sobre a nossa página devem ser postados na seção Contato.
Busca de Artigo
Busca

DTM - Dicionário de Termos Militares
Termos, gírias e expressões da linguagem militar do dia-a-dia. Consulte:

Interatividade
RSS Militar Cristão Militar Cristão no Facebook Militar Cristão no Twitter Assine abaixo o Boletim de Notícias
E-mail: