Atenção: habilite seu browser para o uso de Javascript!


Doutrina

A Graça de Deus

Por Tiago Abdalla T. Neto

INTRODUÇÃO

A graça é exaltada pelos estudiosos cristãos como uma atividade pessoal de Deus em amor ao homem. As palavras cháris e agápe são consideradas como uso especificamente cristão, desconhecidas na ética e filosofia greco-romana, expressando uma espontânea bondade autodeterminada de Deus na direção de pecadores indignos.

Ao longo da história da igreja, a graça sempre teve seus defensores: Paulo contra os judaizantes, Agostinho contra Pelágio, os reformadores contra a teologia medieval católica, e assim por diante. Paulo podia dizer: “Pela graça de Deus sou o que sou” (1 Co 15.10), e “não rejeito/anulo a graça de Deus; pois se a justiça vem pela Lei, Cristo morreu inutilmente!” (Gl 2.21).

A prática cristã, todavia, demonstra uma apatia e indiferença para com a graça de Deus. Se você comenta sobre o último jogo de futebol, ou sobre os estudos e projetos no trabalho, sobre os programas da igreja, as pessoas demonstram um entusiasmo em falar disso. Mas, experimente propor uma reflexão sobre a graça numa conversa comum e, logo, perceberá que pouco as pessoas têm a pensar sobre isso e nenhum entusiasmo parece haver. Qual o motivo dessa total falta de consideração para com a sublime graça de Deus?

A FALTA DA GRAÇA EM NOSSO MUNDO

Algumas questões básicas esquecidas poderiam ser apresentadas para explicar a falta de significado da graça de Deus na vida dos crentes modernos:

1 – A Falta de Merecimento do Homem e A Justiça Retributiva de Deus

Os homens, hoje em dia, tendem a ter um conceito alto a respeito de si mesmos. Pensam que são bons, e têm dificuldade em levar a sério o fato de que há algo errado consigo. Geralmente, o mundo material tende a tomar mais importância que o moral e, assim, as pessoas se contentam em cultivar pequenas virtudes, achando que isso é suficiente para cobrir seus grandes defeitos e vícios. Esses últimos são tidos como comuns a todos os homens.

Por outro lado, o homem cria um deus a sua própria imagem que é complacente com os pecados humanos. Consciente de seus próprios erros, o homem passa admitir as barbáries da vida como algo normal, já que ele mesmo se habituou a dar corda solta a seus pecados. Critica-se aqueles que querem estabelecer um moral séria para sua própria vida, entendendo que não há princípios e conseqüências fixas diante das escolhas dos homens. Não enxergam a Deus como aquele que é “tão puro de olhos que não podes ver o mal” (Hc 1.13) e como o Juiz “que não deixa o pecado sem punição” (Nm 14.18). Portanto, não se vêem merecedores do justo castigo divino.

2 – A Impotência Espiritual do Homem e a Liberdade Soberana de Deus

O livro “Como ganhar amigos e influenciar pessoas” de Dale Carnegie é quase uma Bíblia moderna que ensina como colocar uma pessoa numa posição em que ela não consiga dizer não. Algo muito parecido os homens buscam fazer com Deus. Os pagãos de antigamente pensavam que alcançariam algum favor de Deus, ao oferecer presentes e sacrifícios; os pagãos modernos buscam fazer isso por meio da moralidade ou das atividades eclesiásticas. Crêem que Deus se torna escravo de nossas boas ações. Esquecem-se do que disse Toplady:

Não são as obras de minhas mãos
Que podem cumprir as demandas de Tua lei.
Ainda que meu céu não conhecesse descanso,
Ainda que as minhas lágrimas corressem interminavelmente,
Nada disso poderia expiar meu pecado,
Tu tens que me salvar, somente Tu.

Romanos 3.20 dá o veredicto de que nenhum ser humano será justificado diante Deus pelas obras da lei.

Deus é completamente livre, em nada depende de suas criaturas (Sl 50.8-13; At 17.25). Apenas Deus desfruta de tal liberdade. Nenhum ser humano, jamais experimentou a total liberdade de Deus. Assim, a salvação “não depende do desejo ou esforço humano, mas da misericórdia de Deus” (Rm 9.16). Por isso, Ele diz: “Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão” (Rm 9.15). Se somos salvos é simplesmente pela decisão graciosa de Deus.

AS CORES DA GRAÇA DE DEUS

A graça assume vários matizes na nossa salvação. Salvação e graça estão intimamente relacionadas, como causa e efeito: “Pela graça sois salvos” (Ef 2.8) e “A graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tt 2.11). Não temos mérito em nossa salvação:

Mas, há uma voz de graça principesca,
Que ressoa da Santa Palavra de Deus,
Ah! Pobre pecadores cativos,
Venham e confiem no Senhor!

Minh’alma obedece ao soberano chamado,
E corre até este alívio;
Quero crer em Tua promessa, Senhor,
Ó, ajuda em minha incredulidade.

À bendita fonte de Teu sangue,
Deus encarnado, corro,
Para lavar minh’alma de manchas escarlate,
E pecados da cor mais profunda.

Como verme vil, débil e impotente,
Em Tuas mãos me entrego;
Tu és o Senhor, minha justiça,
Meu Salvador, o meu tudo!

1 – A Graça como Fonte de Perdão dos Pecados

A doutrina da justificação nos ensina o perdão de nossos pecados e aceitação de nossa pessoa diante de Deus. Saímos da posição de um criminoso condenado que aguarda uma terrível sentença, para a de um herdeiro que espera uma herança grandiosa! “sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus” (Rm 3.24). A nossa justificação não nos custa nada, mas teve um alto custo para Deus: “Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós...” (Rm 8.31, 32).

Em Efésios, Paulo dirá: “Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus” (Ef 1.7). Essa maravilhosa graça, demonstrada na justificação, deve nos deixar maravilhados e agradecidos por tão grande demonstração de amor!

2 – A Graça como o Motivo do Plano da Salvação

Paulo descreve o plano de salvação de Deus em várias partes de suas cartas. De modo específico ele o faz no livro de Efésios 1.3 – 2.10, e atribui todo o plano salvador de Deus à graça dEle. Ali descreve a eleição e adoção como filhos (vv. 3-4), o perdão de pecados (v. 7), a iluminação para compreender Sua salvação (vv. 8-9), a presença do Espírito Santo em nós e a glorificação futura (vv. 13-14). Tudo isso, diz Paulo, é devido à graça de Deus e para o louvor da graça dEle (vv. 5-7, 12, 14). A regeneração tão belamente descrita em 2.1-10, quando Deus nos concede vida com Ele, um relacionamento real que não possuíamos antes, é fruto da graça de Deus (vv. 4-5, 8). A graça é o motor propulsor da salvação grandiosa que Deus opera em nossas vidas!

A RESPOSTA APROPRIADA

Dizem que a doutrina no Novo Testamento é graça e a ética é gratidão. Sem dúvida, as misericórdias de Deus, demonstradas por nós na eleição, justificação, santificação e glorificação, deve nos levar a oferecermos nossas vidas a Deus como sacrifício vivo, santo e agradável a Ele (Rm 12.1). Não há como querer permanecer no pecado para que a graça seja mais abundante, porque essa graça nos levou a morrer para o pecado e para a lei que nos escravizava, concedendo vida com Deus em uma vida justa (Rm 6.1ss). Tito 2.11-12 nos lembra que “a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que renegadas a impiedade e paixões mundanas, vivamos no presente século, sensata, justa e piedosamente”.

Isso, certamente, deve produzir em nós uma atitude de graça para com os outros irmãos, diante de suas falhas e erros: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo. Portanto, sejam imitadores de Deus como filhos amados, e vivam em amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus” (Ef 4.32 – 5.2). E não apenas para com nossos irmãos em Cristo, mas, inclusive, com aqueles que ainda não conheceram a graça de Deus em suas vidas, lembrando do quanto Deus foi bondoso para conosco:

... estejam sempre prontos a fazer tudo que é bom, não caluniem ninguém, sejam pacíficos, amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens.
Houve tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres. Vivíamos na maldade, sendo detestáveis e odiando uns aos outros. Mas quando da parte de Deus, nosso Salvador, se manifestaram a bondade e o amor pelos homens, não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, Ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito santo ... a fim de que, justificados por sua graça, nos tornemos seus herdeiros, tendo a esperança da vida eterna.

É por meio de nós, Igreja do Senhor Jesus, que o mundo conhecerá a graça de Deus!

CONCLUSÃO

Para mim, um dos homens que melhor captou o significado da graça na história da Igreja Cristã foi John Newton, autor do hino “Amazing Grace” (“Maravilhosa Graça”). Ex-comerciante de escravos negreiros, experimentou uma mudança total em seu viver num encontro com Cristo, quando enfrentava um naufrágio. No final de sua vida, quando perdia sua memória, disse o seguinte: “Minha memória já quase se foi, mas eu recordo duas coisas: Eu sou um grande pecador, Cristo é o meu grande salvador”. Em seu túmulo, encontramos o seguinte: “John Newton, uma vez um infiel e um libertino, um mercador de escravos na África, foi, pela misericórdia de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, perdoado e inspirado a pregar a mesma fé que ele tinha se esforçado muito por destruir”. Essa é a maravilhosa graça de Deus na vida de pecadores indignos como Newton e, também, como eu e você.


NOTA
A maior parte do esboço e boa parte deste artigo sobre "A Graça de Deus" (Parte 1 e 2) foram adaptados de PACKER, J.I. El conocimiento del Dios Santo. Miami, FL, EUA: Vida. 2006. p. 166-178.




RecuarPara o alto


Exare suas ponderações
» Comentários até agora: 3.

Em 12/02/2011, às 20:01, Osiel Manoel Do Nascimento, de Osasco, ponderou:
Quero parabenlizá-lo por tamanha inspiração...
e continue "Crescendo na graça e conhecimento que há em nosso Senhor Jesus Cristo"
Em 22/11/2010, às 06:45, Mauro Dellamutta, de Cesário Lange-sp, ponderou:
expresso gratidão, pois devemos crescer na graça, então vamos estudar mais e crescer.
graça e paz !
Em 17/10/2010, às 12:43, Ana Maria, de Recife, ponderou:
Excelente estudo, o Deus de toda graça,vos abençõe, cada dia mais.

Comente o texto
Nome:  

Cidade:  

E-mail (não será publicado):  

Comentários:  

» Você pode digitar mais 1024 caracteres.
Digite a seguir o que você lê abaixo:  
0I9Mj03


 

Importante: utilize este formulário para ponderar somente sobre o texto acima. Comentários sobre a nossa página devem ser postados na seção Contato.
Busca de Estudo Bíblico
Busca

DTM - Dicionário de Termos Militares
Termos, gírias e expressões da linguagem militar do dia-a-dia. Consulte:

Bíblia Online
Bíblia Online

Capítulo:    Versículo:

     
Palavra(s):

    
Interatividade
RSS Militar Cristão Militar Cristão no Facebook Militar Cristão no Twitter Assine abaixo o Boletim de Notícias
E-mail: